A pandemia do Covid-19 tem nos trazido novas experiências. Antes da pandemia estávamos confiantes, pois os pais voluntariamente atendiam as palestras de educação parental para conversarmos sobre a participação de cada pai no desenvolvimento integral de cada criança. Também nos sentíamos extremamente confiantes por ter conseguido que várias famílias divorciadas compreendessem que precisavam continuar a cuidar da criança juntos mesmo em uma situação de separação conjugal. Estávamos animados com as notícias de que os casos de desnutrição diminuíram drasticamente em nossas comunidades. Além disso, sentíamo-nos grandemente encorajados quando algum pai ou responsável de uma criança vinha na igreja para agradecer por ter conseguido emprego. Entretanto, com a chegada do Covid-19 temos visto o cenário mudar drasticamente com famílias desempregadas, divórcios, crescimento dos casos de desnutrição e de violência doméstica, onde crianças e mulheres têm sofrido todo tipo de abuso. Temos visto o quantitativo de crimes crescer em nossas comunidades assustadoramente; É sofrimento sobre sofrimento, é lágrima sobre lágrima. Enfim, este tem sido o novo cenário imposto pela pandemia.

No entanto, o PEPE em Angola continuou trabalhando, visitando as famílias, orando com elas, transmitindo a palavra da esperança e anunciando a CRISTO. A coordenação do projeto começou a se reunir semanalmente com as equipes de cada igreja e projeto encorajando-os a participarem das aflições do povo, construindo um vínculo de oração. Os missionários-educadores continuaram enviando as atividades para as crianças e ajudando-as a se desenvolverem.

Nesse ínterim, pela graça de Deus, o governo permitiu a abertura de igrejas e estabelecimentos de ensino em comunidades menos afetadas ou com números ínfimos de contaminação pelo novo coronavírus. Essa permissão possibilitou a reabertura de 12 unidades de PEPE que ofereceram condições básicas para receberem as crianças. As atividades são desenvolvidas em espaços mais abertos como templos e alpendres, lugares que favorecem um distanciamento adequado ou que permitem maior circulação do ar. O governo tem de forma contínua feito o monitoramento para garantir que as igrejas cumpram as recomendações de biossegurança para o bem estar das crianças. O PEPE VAI tem sido realizado todas as semanas, seja para ter um tempo com as famílias, assim como para dar suporte às crianças que ainda desenvolvem as atividades do PEPE de casa.

Isto é VIVER O PODER DE TRANSFORMAR.

David Fernando Panganhe
Coordenação Regional PEPE África Austral